Portuguese Chinese (Simplified) English French German Italian Japanese Russian Spanish

Outros

Conheça os programas de educação corporativa do CeMEAI

Centro conta com iniciativas acadêmicas voltadas para empresas

 

educa corpora

 

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) surgiu dentro do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP em São Carlos com um objetivo claro: fomentar estudos em Ciências Matemáticas dentro de universidades e aplicá-los em ambientes industriais, aproximando a academia do mercado, focando na transferência de tecnologia e ajudando a desenvolver a área no Brasil.

Nesse sentido, o CeMEAI e o ICMC contam com iniciativas de educação corporativa, focadas primordialmente na capacitação e no treinamento de funcionários de empresas que trabalham com as áreas do conhecimento que são especialidades do Centro.

A mais nova delas é o MBA em Ciências de Dados. O programa, que é oferecido junto ao ICMC/USP e tem duração de um ano, é o primeiro da área a ser disponibilizado a distância por uma universidade pública no Brasil e conta com a maior equipe de cientistas da computação, estatística e matemática aplicada do país para proporcionar uma educação de qualidade e com o melhor aporte docente disponível na área.

Além da capacitação e do desenvolvimento teórico e prático em ciências de dados, o MBA oferece aos alunos uma oportunidade única e muito interessante: trazer um problema real da empresa onde trabalham para ser solucionado com o apoio dos mentores especialistas durante todo o decorrer do curso.

O MBA, inclusive, está com inscrições abertas para sua primeira turma. Os interessados podem encontrar todos os detalhes e realizar sua inscrição no site do programa.

Quem busca um curso mais amplo, com duração maior e aulas presenciais, pode encontrar a solução perfeita no Mestrado Profissional em Matemática, Estatística e Computação Aplicadas à Indústria (MECAI). O objetivo do MECAI, que é oferecido de forma gratuita e envolve a apresentação de uma dissertação nos momentos finais do curso, é melhorar a formação dos profissionais e atender à demanda da indústria para proporcionar um avanço em geração de produtos ou aplicação de métodos inovadores para que as empresas se tornem mais competitivas nacional e internacionalmente.

Como o alcance do mestrado é amplo, o profissional formado poderá atuar em várias áreas específicas que incluem, por exemplo, otimização, mecânica dos fluidos, economia, entre outras. O curso tem dois anos de duração e aborda as aplicações de ciências de dados em agricultura, medicina, saúde, finanças e infraestrutura.

Cursos de curta duração

Além desses dois cursos de longa duração, o CeMEAI também oferece às empresas programas mais enxutos, com durações mais curtas e aplicações mais específicas. É o caso dos cursos de extensão, de resolução de problemas industriais e de aperfeiçoamento in company.

Os cursos de extensão buscam aumentar a capacidade analítica dos alunos em ciências de dados, estatística e matemática aplicada. Atualmente, são oferecidas duas opções nesta categoria. Uma delas é o curso de Social Network Analysis, que, assim como o MBA, está com inscrições abertas e oferece aporte para que os alunos compreendam as principais ferramentas, conceitos e questões relacionadas a coleta e análise de dados de redes sociais e identifiquem e discutam teorias e métodos associados a pesquisas na área.

O outro curso de extensão oferecido pelo CeMEAI é o Programação Python para Ciências de Dados, que tem o objetivo de qualificar profissionais com algum conhecimento de computação e programação para que sejam capazes de manipular e processar bases de dados em diferentes formatos, projetar robôs para capturar informações disponíveis na web e executar procedimentos básicos de estatística e aprendizado de máquina.

A iniciativa de resolução de problemas industriais é organizada todos os anos e antecede o Workshop de Soluções Matemáticas para Problemas Industriais. Em uma semana de atividades, é apresentado um conjunto de técnicas matemáticas e de modelagem, acompanhado de um problema real, para que os estudantes possam experimentar por eles mesmos o processo de entender, formular e resolver um problema prático.

São apresentados problemas reais já estudados em ocasiões anteriores, para os quais se tem uma boa base de conhecimento, e, guiados por um tutor, os alunos trabalham na solução ou no estudo desses problemas.

Por fim, o CeMEAI também oferece um aperfeiçoamento in company, que entrega aos funcionários das empresas conveniadas um conteúdo que cobre temas essenciais no contexto de ciência de dados. Em particular, o curso apresenta, de forma bastante aplicada, conceitos de programação, de estatística, de aprendizado de máquina e de matemática aplicada, que correspondem a tópicos indispensáveis na formação de um cientista de dados.

Todos os cursos do CeMEAI voltados para educação corporativa podem ser acessados com mais informações na página da iniciativa, que conta com os detalhes de cada um dos programas e as instruções a respeito de inscrições, ementas e contatos para eventuais dúvidas.

 

Cursos de educação corporativa - CeMEAI/ICMC

 

Curso Inscrições Modalidade Gratuidade Pré-requisitos
MBA em Ciências de Dados Abertas (até 31/10/2019) A distância Não Graduação completa; trabalhar na área de Ciências de Dados
MECAI Fechadas Presencial Sim Graduação completa; trabalhar na área de Ciências de Dados
Programação Python para Ciências de Dados Fechadas Presencial Não Graduação completa
Social Network Analysis Fechadas Presencial Não -
Resolução de problemas industriais Fechadas Presencial Sim -
Aperfeiçoamento in Company Abertas (para empresas) Presencial Não A critério da empresa contratante

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em três áreas básicas: Ciência de Dados, Mecânica de Fluidos Computacional e Otimização e Pesquisa Operacional.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar / IMECC-UNICAMP / IBILCE-UNESP / FCT-UNESP / IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Leonardo Zacarin - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Pesquisa de doutorado relacionada ao CeMEAI recebe prêmio no IFSC

Trabalho é sobre modelagem de propagação de epidemias em redes complexas

 

foto3

Divulgação/IFSP/USP

O aluno Paulo César Ventura da Silva, orientado pelo prof. Francisco Aparecido Rodrigues, recebeu um dos “Prêmios Yvonne Mascarenhas” que reconhece trabalhos de iniciação científica, mestrado e doutorado durante a Semana Integrada do Instituto de Física de São Carlos (SIFSC-9). Paulo foi reconhecido pelo melhor trabalho de doutorado que é relacionado ao Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) e envolve a modelagem de propagação de epidemias em redes complexas, tendo como título “Modeling interacting diseases with different time scales”.

“Estamos trabalhando nesse projeto há três anos e o trabalho, que acabou de ser aceito pela revista Physical Review E, envolve a modelagem de propagação de epidemias com rumores. Ou seja, analisamos como informações sobre a epidemia, como campanhas de conscientização da população, influencia a propagação de agente infeccioso. Verificamos que se o rumor sobre a epidemia é propagado massivamente, isso pode ter um efeito negativo, contrário ao esperado, aumentando o número de infectados. Isso pode ser observado no aumento do número de casos de Aids, recentemente,” comentou Francisco.

foto2foto1

Divulgação/IFSP/USP

O aluno irá passar um ano na Universidade de Zaragoza, onde trabalhará com o pesquisador Yamir Moreno, um dos mais renomados na área de sistemas complexos, com bolsa BEPE da Fapesp.

Ainda segundo Francisco, o projeto está sendo continuado com análise de dados e modelagem matemática usando mecânica estatística e teoria das redes.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em três áreas básicas: Ciência de Dados, Mecânica de Fluidos Computacional e Otimização e Pesquisa Operacional.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar / IMECC-UNICAMP / IBILCE-UNESP / FCT-UNESP / IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Raquel Vieira - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Trabalho orientado por pesquisadores do CeMEAI é premiado no Chile

Estudo da aluna do PIPGEs analisa modelos da Teoria de Resposta ao Item

 

IMG 20190719 165350 lqIMG 20190723 WA0006 lq

 

A aluna de doutorado Cláudia Evelyn Escobar Montecino, do Programa Interinstitucional de Pós-graduação em Estatística UFSCar-USP (PIPGEs), orientada pela professora Mariana Curi, do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC/USP) e pesquisadora do CeMEAI, recebeu o prêmio ETS Travel Award da Psychometric Society.

A premiação ocorreu durante o International Meeting of the Psychometric Society (IMPS 2019) na Pontificia Universidad Católica de Chile, em Santiago, no dia 19 de julho.

Intitulado "Item Response Theory Using Autoencoders and Variational Autoencoders", o trabalho estuda as metodologias de autoencoders e variational autoencoders como métodos de estimação de parâmetros de modelos da Teoria de Resposta ao Item (TRI).

“Neste trabalho, nós propusemos uma modificação nos métodos de autoencoders de forma a incorporar um modelo multidimensional da TRI em sua arquitetura e possibilitar a estimação de seus parâmetros via métodos de redes neurais profundas. Os resultados dos estudos de simulação mostram bom desempenho de ambas as metodologias, comparáveis com os métodos de estimação usuais de TRI, como por exemplo MCMC e Máxima Verossimilhança Marginal, com a vantagem de serem bastante mais flexíveis e factíveis para grande volume de dados”, explicou Mariana Curi.

O CeMEAI também esteve representado pela pesquisadora Mariana Curi, quem deu uma palestra acerca de Machine learning for estimation in IRT models e o professor Jorge Luis Bazán que apresentou um pôster acerca de A response time model to test with limited time junto a seu estudante de doutorado e ministrou um seminário no Departamento de Estatística da PUC do Chile sobre desempenho de links assimétricos e métodos de correção para dados desbalanceados em regressão binária.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em três áreas básicas: Ciência de Dados, Mecânica de Fluidos Computacional e Otimização e Pesquisa Operacional.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar / IMECC-UNICAMP / IBILCE-UNESP / FCT-UNESP / IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Raquel Vieira - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Diretor da FGV EMAp fala sobre a importância da colaboração entre instituições

César Camacho participou do V Workshop de Soluções Matemáticas para Problemas Industriais

 

O Diretor da Escola de Matemática Aplicada da Fundação Getúlio Vargas (FGV EMAp), César Camacho, apresentou a palestra de encerramento do V Workshop de Soluções Matemáticas para Problemas Industriais. Camacho falou com o CEPID-CeMEAI sobre a importância desse tipo de evento, das aplicações da matemática para a sociedade e dos trabalhos desenvolvidos pela EMAp. Confira a entrevista:

 

Diretor da FGV EMAp fala sobre a importância da colaboração entre instituições

O Diretor da FGV EMAp - Escola de Matemática Aplicada, César Camacho, apresentou a palestra de encerramento do V Workshop de Soluções Matemáticas para Problemas Industriais. Camacho falou com o CEPID - CeMEAI sobre a importância desse tipo de evento. Confira a entrevista!

Publicado por CEPID - CeMEAI em Quarta-feira, 24 de julho de 2019

CeMEAI e Prefeitura de São Carlos buscam melhorias para a assistência social

Reunião realizada nesta semana marcou o início da cooperação

 

Membros do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) e da Secretaria Municipal de Cidadania e Assistência Social da cidade de São Carlos se reuniram nesta segunda-feira (24), na sede do Centro, para dar início a uma cooperação que pode trazer ótimos resultados para a cidade.

Ao lado do Gestor de Educação e Difusão do CeMEAI, Gustavo Faria, o professor Alexandre Delbem, do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP e pesquisador do CeMEAI, e Cristiano Santos, da Startup Triângulos, receberam quatro integrantes da Secretaria para discutir formas de avaliar a eficiência das políticas públicas que a cidade coloca em prática.

“Nosso objetivo é a integração das políticas públicas. A dificuldade nesse sentido é a integração de dados diferentes, gerados por motivos diferentes, por vários setores do departamento. Poderemos criar os indicadores para ajudar a Secretaria nas tomadas de decisão”, explica o professor Delbem.

A Chefe de Gabinete da Secretaria, Regina Medeiros, comemorou a oportunidade de colaboração com a universidade. "Quando a universidade se abre para a comunidade com a expertise de seus conhecimentos e se propõe a pensar em alternativas para problemas cotidianos, principalmente daquelas camadas da população que são mais vulneráveis econômica e socialmente, a população e a universidade saem ganhando, e assim caminhamos para a efetivação da cidadania".

Além dela, participaram da reunião Glaziela Marques, Secretária de Cidadania e Assistência Social, Jaqueline Glavocic, da Seção de Apoio à Proteção Social Básica – Rede Pública, e Luciano de Oliveira, do Departamento de Proteção Social Especial.

"De uma maneira geral, estamos bem contentes e otimistas com a parceria. Esperamos que com a construção dessas ferramentas possamos, na ponta do atendimento, aprimorar a oferta de serviços, programas e projetos de Assistência Social, de maneira a garantir o acesso das pessoas ao direito constitucional de proteção social", finaliza Regina.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em quatro áreas básicas: Otimização Aplicada e Pesquisa Operacional, Mecânica de Fluidos Computacional, Modelagem de Risco, Inteligência Computacional e Engenharia de Software.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar, IMECC-UNICAMP, IBILCE-UNESP, FCT-UNESP, IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Leonardo Zacarin - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Núcleo de Estatística Aplicada traz problemas reais para a sala de aula

NEA está recebendo inscrições de instituições interessadas

 

nea logo

 

Aproximar alunos de Estatística de problemas reais oferecidos por empresas e pela sociedade em geral. Este é o principal objetivo do Núcleo de Estatística Aplicada (NEA), iniciativa do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP em São Carlos.

O Núcleo surgiu com a ideia de ser útil para os dois lados: os proponentes dos projetos têm, sem qualquer custo, suas questões analisadas por especialistas e a universidade aproveita as informações para aproximar os alunos de graduação dos problemas reais e alimentar bancos de dados para futuros estudos.

A cooperação pode ser feita de diversas formas. “O NEA é responsável por captar os projetos que são submetidos e analisar se cabem dentro de uma disciplina, de um trabalho de conclusão de curso, em uma iniciação científica ou mesmo em uma atividade de cultura e extensão. Tudo depende do tipo de dado, do tipo de análise, dos objetivos do projeto, do tempo disponível para isso e da disponibilidade de alunos ou supervisores para analisarem os dados”, explica Juliana Cobre, coordenadora do NEA e professora do ICMC.

Chamada aberta

chamada nea

Até o próximo dia 8 de julho, instituições interessadas em participar das iniciativas do Núcleo podem enviar seus projetos através do site do NEA. A chamada especial é voltada à área de Bioestatística. “A disciplina Bioestatística contém tópicos como razão de chances, riscos relativos, testes de homogeneidade e heterogeneidade, modificação de efeitos, meta análise, crossover, testes de diagnóstico e outras”, esclarece Juliana.

Os projetos aprovados pelo NEA serão utilizados na disciplina Bioestatística no segundo semestre deste ano. As aulas serão ministradas pela professora Mariana Cúri, do ICMC e pesquisadora do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI). A metodologia utilizada no curso é a Problem Based Learning, que tem eficácia comprovada e já foi utilizada em algumas disciplinas do ICMC.

A ideia é que os projetos selecionados nesta chamada sejam discutidos durante todo o semestre pelos alunos e os avanços sejam apresentados ao fim do estudo. Por isso, além de serem da área indicada, os projetos devem indicar algum representante que tenha disponibilidade de atender os alunos responsáveis pelo estudo durante o semestre. O NEA também exige que os proponentes forneçam os dados para utilização posterior, com preservação do sigilo, para que possam ser usados em outros estudos.

Até o dia 22 de julho, o NEA entrará em contato com os proponentes dos projetos selecionados para fornecer as informações adicionais e dar continuidade ao processo de aprovação.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em quatro áreas básicas: Otimização Aplicada e Pesquisa Operacional, Mecânica de Fluidos Computacional, Modelagem de Risco, Inteligência Computacional e Engenharia de Software.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar, IMECC-UNICAMP, IBILCE-UNESP, FCT-UNESP, IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Leonardo Zacarin - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

CeMEAI apoia grupo de estudos de Deep Learning

Pesquisadores tentam fortalecer tecnologias desta área no Brasil

 

IMG 3045 IMG 3055

 

Denominado CeMEAI Deep Learning Study Group, acaba de ser criado um dos poucos grupos no país que se dedicará a estudar e propor tecnologias de Deep Learning, uma área de grande revolução dentro da Inteligência Artificial.

Quem coordena o grupo é o professor Luis Gustavo Nonato, do ICMC, que também é pesquisador do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI). Ele explica que esta área está muito relacionada a aplicações como compreensão do comportamento de clientes em e-commerce, reconhecimento facial e de fala, classificação de doenças e até autonomia dos carros.

“Essas técnicas de Deep Learning têm revolucionado muitas áreas do conhecimento e estão presentes em nosso dia-a-dia. Aqui no Brasil, existem pessoas trabalhando com Deep Learning, mas poucos são os grupos dedicados a realizar pesquisa no tema”, diz.

Pensando nisso e com o apoio de outros dois pesquisadores do CeMEAI, os professores Paulo José da Silva e Silva e Carlile Lavor, do Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica (IMECC/Unicamp), o grupo brasileiro foi criado e as reuniões iniciaram em maio no ICMC, em São Carlos.

“Essa ideia surgiu quando nós três estávamos em universidades americanas e notamos que lá o tema está muito em alta. Quando retornamos ao Brasil, fomos procurar outras pessoas que conhecemos e que estão dispostas a aprender mais sobre o assunto e começamos a estudar”, explica Nonato.

Com participantes presenciais e alguns que acompanham as reuniões pela internet, em tempo real, o grupo reúne cerca de 50 participantes entre professores e pós-doutorandos.

“Neste semestre vamos estudar o livro Introduction to Deep Learning, da MIT - Massachusetts Institute of Technology. No segundo semestre, vamos formar subgrupos com foco em problemas particulares. Por exemplo, um tema de grande interesse na atualidade é compreender como os modelos de deep learning se configuram. Para os bancos, tal compreensão é de grande relevância para que possam garantir que tais modelos não estão discriminando certas classes de pessoas”, completou.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em quatro áreas básicas: Otimização Aplicada e Pesquisa Operacional, Mecânica de Fluidos Computacional, Modelagem de Risco, Inteligência Computacional e Engenharia de Software.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar, IMECC-UNICAMP, IBILCE-UNESP, FCT-UNESP, IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Raquel Vieira - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Presidente do CNPq comenta os desafios de comandar o Conselho

João Luiz Azevedo é pesquisador do CeMEAI

 

 

O novo presidente do CNPq, João Luiz Azevedo, foi nomeado para o cargo no dia 15 de janeiro deste ano. Azevedo é pesquisador do CEPID CeMEAI e comentou os desafios de comandar o Conselho. Confira a entrevista:

 

Presidente do CNPq comenta os desafios de comandar o Conselho

O novo presidente do CNPq, João Luiz Azevedo, é pesquisador do CEPID - CeMEAI e comentou os desafios de comandar o Conselho. Confira a entrevista:

Publicado por CEPID - CeMEAI em Quarta-feira, 3 de abril de 2019

Supercomputador do CeMEAI auxilia pesquisadores da USP em Piracicaba

Cluster Euler reduziu muito o tempo gasto em processamentos

 

Supercomputador do CeMEAI auxilia pesquisadores da USP em Piracicaba

Pesquisadores da ESALQ têm utilizado o cluster Euler, o supercomputador do CEPID - CeMEAI, para ajudar em trabalhos na área ambiental. Saiba mais: https://goo.gl/owpfaV

Publicado por CEPID - CeMEAI em Quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

 

Na Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, o campus da USP na cidade de Piracicaba, o meio-ambiente é assunto diário. Por ser referência nacional nos estudos relacionados à agricultura, a Esalq tem pesquisadores que desenvolvem projetos de ponta em parceria com instituições do governo. É o caso do Grupo de Políticas Públicas (GPP), que surgiu do Laboratório de Planejamento de Uso do Solo e Conservação (Geolab).

"Entre 1999 e o ano passado, quando o GPP foi finalmente institucionalizado na Esalq, nós trabalhamos com vários temas da interface entre meio-ambiente e agricultura. Trabalhamos com o Ministério do Meio-Ambiente, do Desenvolvimento Agrário, da Agricultura e outras organizações com uma agenda muito ampla envolvendo temas de reforma agrária, crédito fundiário, programas de pagamento por serviços ambientais, compras públicas, enfim", conta Gerd Sparovek, coordenador do Geolab.

O Geolab sempre trabalhou com iniciativas que pudessem ter algum retorno social. Porém, recentemente, o grupo ganhou um aliado importante nos projetos: é o supercomputador do CeMEAI, que realiza operações a uma velocidade aproximadamente 5 mil vezes maior que um computador comum. Foi na pesquisa do mestrado que o pesquisador Arthur Fendrich descobriu o poder do cluster. "Surgimos com a ideia, com a metodologia e, quando começamos a executar, vimos que com um único computador seria inviável de fazer essas contas, que muitas vezes uma operação – e nós faríamos várias operações – levava dias. Nós começamos a pesquisar alternativas, descobrimos a existência do Euler e aprendemos, conforme fomos aprendendo a usar, a reduzir essa questão de dias para horas. Essa série de processamentos que esperávamos que levasse meses foi possível fazer em semanas. Conseguimos testar várias alternativas e chegar a um modelo estatístico bom graças à capacidade de processamento que ganhamos com o Euler", comemora Arthur.

Em parceria com o Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora), o grupo desenvolveu um atlas agropecuário, que mostra informações como mapa de carbono, limites da malha fundiária e as terras públicas e privadas de todo o Brasil. O mapa fica disponível gratuitamente na internet para qualquer interessado. "O primeiro benefício do cluster foi conseguirmos melhorar a precisão dos cálculos. Quando aumentamos a capacidade de processamento com novas células, conseguimos inclusive processar coisas novas, o que antes não era possível por uma limitação computacional. Hoje em dia, pros 7,5 milhões de imóveis, conseguimos fazer essas contas de uma maneira muito mais refinada que antes", completa Arthur.

Portaria ministerial

Outra pesquisa importante desenvolvida pelos pesquisadores do GPP/Geolab se tornou uma portaria ministerial. "Esse projeto mapeou as áreas irrigadas, viu os lugares que tinham potencial para fazer a ampliação dessa irrigação, água disponível, infraestrutura e energia elétrica, que são parâmetros importantes para a implementação de áreas irrigadas. Além disso, ele apontava as áreas que já tinham problemas, já não tinham mais água disponível para fazer a irrigação. Com isso, o gestor conseguia fazer um bom planejamento, e em cima desse planejamento ele consegue indicar políticas que conseguem atender e fazer essa expansão da agricultura irrigada de uma forma ordenada, ou seja, uma otimização de recursos", explica o pesquisador Rodrigo Maule.

Além das pesquisas a nível nacional, o cluster do CeMEAI também dá um suporte importante a trabalhos no estado de São Paulo. Um deles é desenvolvido em parceria com instituições públicas para melhorar a fiscalização ambiental das propriedades rurais. "A partir de uma demanda da Fapesp junto à Secretaria do Estado, foi necessário um projeto para que se pudesse entender como ocorre a questão da aplicação da legislação ambiental dentro do estado visando a compensação. É possível observar toda a questão da vegetação e uso de solo de acordo com o mapa criado ou com a base de dados espaciais desenvolvida", descreve o pesquisador Paulo André Tavares.

"Fazer estudos regionais, mais generalistas, ajuda a tomar as decisões, mas operar uma decisão de política pública depende de escala e precisão espacial, e é isso que o cluster trouxe para nós - esse potencial de conseguir alinhar o que são processamentos mais gerais sobre como a coisa toda vai funcionar, que você consegue fazer com uma infraestrutura computacional mais simples, e aprofundar esses estudos até a escala local", reforça Gerd.

"Nós trabalhamos em vários projetos, com vários ministérios, e nesses estudos normalmente utilizamos muitas modelagens, que trabalham com bases de dados de nível nacional, que são bem pesadas. Para isso, precisamos ter recurso computacional muito forte, e essa parceria com o CeMEAI veio ajudar muito nisso", finaliza Rodrigo.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em quatro áreas básicas: Otimização Aplicada e Pesquisa Operacional, Mecânica de Fluidos Computacional, Modelagem de Risco, Inteligência Computacional e Engenharia de Software.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar, IMECC-UNICAMP, IBILCE-UNESP, FCT-UNESP, IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Leonardo Zacarin - Assessoria CEPID-CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609 

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Workshop dá início a integração entre comunidade científica e gestão pública

Problemas de São Carlos foram discutidos com possibilidades de projetos conjuntos

 

 

De um lado, o conhecimento. De outro, possibilidades de ações. Quando falamos em Ciência e Tecnologia, comunidade científica e gestão pública têm muito a compartilhar.

O Workshop Redes Temáticas e Gestão Pública é uma iniciativa inédita e prática que colocou lado a lado, no dia 7 de dezembro, no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC/USP), representantes de universidades, centros de pesquisa, instituições e órgãos públicos de São Carlos.

O evento tem o apoio do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) e do ICMC, com organização do professor sênior José Carlos Maldonado e do atual Secretário Municipal de Desenvolvimento Sustentável, Ciência e Tecnologia José Galizia Tundisi.

Dezesseis das dezoito Secretarias Municipais, além de Coordenadorias, Fundações e Autarquias estavam presentes por meio de seus Secretários ou representantes. A eles, coube apresentar os problemas mais urgentes que podem ter soluções em cooperação com pesquisadores de universidades como a USP e UFSCar, Embrapa e Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepids) sediados em São Carlos.

A professora Maria Cristina de Oliveira, diretora do ICMC, falou sobre a importância deste trabalho integrado. “Já ganhamos muito em abrir este canal de diálogo. Discutiremos aqui como fomentar a colaboração com os problemas da administração pública. Nós do ICMC e do CeMEAI nos voluntariamos para sediar esse encontro que pretende apresentar competências que possam gerar futuras parcerias e projetos conjuntos com o município”, disse.

Para o organizador José Galizia Tundisi, que representou o prefeito Airton Garcia, o maior problema do país e seus municípios está na gestão. “Para resolver é necessário integração maior com o conhecimento que existe nas universidades e institutos de pesquisa. São Carlos tem um vasto conhecimento científico em todas as áreas e esta é a primeira reunião de um amplo projeto que será desenvolvido com bases para o município”.

No meio acadêmico, muitas vezes, a tecnologia procura o problema e a ideia é inverter essa situação com a aplicação de pesquisas que poderão solucionar muito do que foi apresentado pelos secretários.

Mariel Pozzi Olmo, da pasta de Serviços Públicos comentou sobre a dificuldade de gestão e coleta de resíduos sólidos, por exemplo. Para o tema, o CeMEAI já apoia uma tecnologia aplicada no município de Matão, o SISGERES, que poderia ser adaptado e implementado também em São Carlos.

Da Secretaria de Obras Públicas foram compartilhadas necessidades de melhorias em documentação técnica e orçamentária, cálculos, problemas de drenagem, entre outros.

Como trabalhar melhor os acervos do Museu, gerar renda e trabalho para a população, transporte público, trânsito, planejar parques urbanos e espaços públicos permearam as discussões que tiveram também a participação do presidente do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE), Benedito Carlos Marchezin. A autarquia já possui um convênio de eficiência energética com o CeMEAI, coordenado pela pesquisadora Maristela Santos que já confirmou uma economia de pelo menos 10% na conta de energia elétrica do SAAE, podendo chegar a 1 milhão de reais de economia aos cofres do município em um ano. “Podemos trabalhar em outras frentes como perdas de água e problemas de abastecimento”, comentou.

E contribuir com os municípios em ações de prevenção e alerta contra alagamentos é a proposta de uma pesquisa também apoiada pelo CeMEAI e coordenada por Jó Ueyama que resultou no e-Noé, uma rede de sensores sem fio para monitorar rios e córregos urbanos. O dispositivo já pode ser operado já foi testado com bons resultados nos córregos Monjolinho e Tijuco Preto que costumam transbordar.

Após a apresentação dos problemas, foram criadas seis equipes agrupadas por áreas de interesses comuns.

Todos os assuntos relacionados à Educação serão discutidos em um projeto paralelo, o EduS.Car, já em andamento e coordenado pelo professor Edgar Zanotto, do Centro de Pesquisa, Educação e Inovação em Vidros (CeRTEV) que também participou do workshop.

Os demais grupos reuniram-se com pesquisadores para trabalhar na discussão das primeiras ações e organizar a agenda de trabalho futuro.

Segundo o Secretário Tundisi, algumas aplicações já podem ocorrer em 2019. “A cidade necessitava desta iniciativa que irá usar o capital intelectual do município e toda a equipe da prefeitura. Esperamos que seja o começo de um processo contínuo que integrará ciência, tecnologia e políticas públicas na transformação social. Demos hoje um salto importante sobre o diagnóstico de problemas de várias áreas e ganhamos na aproximação com os pesquisadores, muitos deles, matemáticos. E sabemos que matemática e água são a base de tudo”, comentou.

O professor Maldonado opinou. “Em nome do ICMC, agradeço a todos que contribuíram neste primeiro workshop. Ressalto que essa aproximação é muito relevante para a academia! Pesquisar e desenvolver, conjuntamente, soluções para problemas relevantes em domínios de aplicação, com impacto social e econômico fazem parte de nossos objetivos”.

 

Raquel Vieira - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Página 1 de 6