Portuguese Chinese (Simplified) English French German Italian Japanese Russian Spanish
jornal da usp

Entrou em vigência em 2012 a Lei nº 12.527/2011, conhecida como Lei de Acesso à Informação, que permite que qualquer cidadão, sem necessidade de justificativa, solicite dados e informações a qualquer órgão ou entidade pública dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, além do Ministério Público, nas esferas Federal, Estadual e Municipal. Porém, Luis Gustavo Nonato, professor do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação de São Carlos (ICMC) da USP, acredita que a posse desses dados abertos não está sendo bem utilizada.

 

CLIQUE AQUI para acessar a reportagem completa!

Dados Abertos na América do Sul: quem fará uso?

Pesquisador Luis Gustavo Nonato opina sobre o tema em artigo

 

Em muitos países desenvolvidos, os dados abertos têm sido utilizados não somente como mecanismo de fiscalização dos governos, mas também como suporte à elaboração de políticas públicas, sendo ainda a base de criação de novas tecnologias. O pesquisador do CEPID- CeMEAI Luis Gustavo Nonato opinou sobre o tema neste artigo que analisa como o Brasil também poderia evoluir na tecnologia. Confira o artigo:

Dados Abertos na América do Sul: quem fará uso?

Autor: Luis Gustavo Nonato

O número de bases de dados com acesso público, os chamados Dados Abertos (Open Data), tem crescido de forma significativa nos países sul-americanos (veja gráfico abaixo). Como nos países desenvolvidos, a geração de dados abertos na América do Sul tem ocorrido de forma descentralizada, com iniciativas ligadas a movimentos sociais, setor produtivo, universidades e governos. Os governos, porém, tem tido papel fundamental neste cenário, não só como agente provedor de dados abertos, mas também como responsável pela organização e disponibilização de tais dados. De fato, a maioria dos países sul americanos possui atualmente portais de dados abertos financiados e gerenciados por seus governos federais:

Dados

Nos países desenvolvidos, dados abertos tem sido utilizados não somente como mecanismo de fiscalização dos governos, mas também como suporte à elaboração de políticas públicas, sendo ainda a base de criação de novas tecnologias. Iniciativas como BlindSquare, que auxilia a locomoção de deficientes visuais, Ottawa Recycle, que orienta cidadãos sobre quando e onde depositar lixo reciclável, e Spot Crime, que mapeia a criminalidade em cada região da cidade, são bons exemplos de como dados públicos podem melhorar a qualidade de vida das pessoas, influenciar na mudança de comportamento e impulsionar a criação de empresas, emprego e renda.

Porém, para que dados abertos impactem positivamente na sociedade e na economia de um país, faz-se necessário mão de obra extremamente qualificada, a qual é escassa na América do Sul. O que agrava ainda mais o cenário é a lentidão com que os países sul-americanos têm reagido à falta de profissionais capazes de gerar conhecimento e produtos a partir de dados abertos. Enquanto países desenvolvidos investem fortemente na formação de mão de obra qualificada (veja tabela abaixo), países sul-americanos estão quase inertes a revolução tecnológica impulsionada pelo acesso à grandes conjuntos de dados. Uma pesquisa no cadastro de cursos de graduação dos países sul-americanos revela a inexistência de cursos na área de ciência de dados (data science). Em outras palavras, atualmente não existe sequer um curso de graduação em ciência de dados em toda América do Sul.

Número de Cursos de Graduação em Ciência de Dados nos Países Desenvolvidos (nenhum curso de graduação em ciência da dados na América Latina)

Fonte: http://datascience.community/colleges

Estados Unidos
Reino Unido
Espanha
França
Alemanha

Número de Cursos

95
10
4
3
2

Diante do cenário atual, países sul-americanos estão fadados a continuarem como consumidores de tecnologias produzidas por países desenvolvidos, muitas das quais projetadas para atender demandas daqueles países. O acesso aos dados abertos da América do Sul pelas empresas do primeiro mundo, permitirá que tais tecnologias sejam adaptadas ao contexto sul-americano, encorajando cada vez mais o consumo de soluções prontas produzidas nos países desenvolvidos. Tal dependência exclui os países da América do Sul do grupo que protagoniza a geração de conhecimento e tecnologia a partir de dados, reduzindo a competitividade dos países sul-americanos no novo mercado que se abre.

Desta forma, é incontestável a urgência na capacitação de mão de obra capaz de explorar o universo de oportunidades geradas pelo acesso à dados públicos. Cidadãos, universidades e governos sul-americanos precisam se mobilizar rapidamente no sentido de construir uma rede de colaboração em ciência de dados, promovendo a criação de novos cursos de graduação e pós-graduação, fomentando projetos de pesquisa conjuntos e viabilizando a mobilidade de estudantes e pesquisadores entre os países da América do Sul, buscando assim acelerar a formação de mão de obra qualificada. Somente uma reação rápida e conjunta, voltada para capacitação de parcela significativa da população, dará chance aos países sul-americanos de competir neste novo "mercado de dados" que se apresenta.

Pesquisadores do CeMEAI recebem prêmios na SIBGRAPI

30ª edição da conferência foi realizada na UFF

 

nonato

Erick Gomez-Nieto (com o certificado) e Luis Gustavo Nonato (à direita) receberam o prêmio de melhor tese de doutorado. Foto: divulgação/SIBGRAPI

 

Entre os dias 17 e 20 de outubro deste ano, a Sociedade Brasileira de Computação (SBC) promoveu a 30ª edição da Conference on Graphics, Patterns and Images (SIBGRAPI). O evento é realizado anualmente pela SBC e contempla áreas de computação gráfica, visualização, processamento de imagens, visão computacional e reconhecimento de padrões. Neste ano, a SIBGRAPI foi realizada na Universidade Federal Fluminense (UFF) em Niterói, no Rio de Janeiro, e premiou dois pesquisadores ligados ao Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI).

O professor Afonso Paiva, do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP em São Carlos e pesquisador do CeMEAI, recebeu o prêmio de melhor paper na categoria “Computação Gráfica e Visualização” pelo trabalho “Least-Squares Morphing of Dynamic Meshes”, que também tem autoria de Lucas Pagliosa, aluno de doutorado do ICMC, Paulo Pagliosa e André Medalha, ambos da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).

O trabalho “A Hierarchical Network Simplification via Non-Negative Matrix Factorization”, que recebeu menção honrosa na mesma categoria, tem participação de Luis Gustavo Nonato, que também é professor no ICMC e pesquisador do CeMEAI. Os outros autores são Markus Diego Dias (doutorando do ICMC), Moussa Reda Mansour (iCetana), Fabio Dias (pós-doutorando do ICMC), Fabiano Petronetto (Universidade Federal do Espírito Santo) e Claudio T. Silva (New York University).

O prêmio de melhor tese de doutorado foi para outro trabalho orientado por Nonato: “Generation of Semantic Layouts for Interactive Multidimensional Data Visualization”, produzido por Erick Gomez-Nieto, aluno de doutorado do ICMC.

As demais premiações estão disponíveis no site da SIBGRAPI.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em quatro áreas básicas: Otimização Aplicada e Pesquisa Operacional, Mecânica de Fluidos Computacional, Modelagem de Risco, Inteligência Computacional e Engenharia de Software.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar, IMECC-UNICAMP, IBILCE-UNESP, FCT-UNESP, IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Leonardo Zacarin - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Encontro em São Paulo busca desenvolver cooperação entre CEPIDs

Evento contou com a participação de representantes do CEM, do NEV e do CeMEAI

 

reuniao

 

No último dia 8 de agosto, três Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) da FAPESP se reuniram para fomentar a interação entre as instituições. O Núcleo de Estudos da Violência (NEV), em São Paulo, recebeu pesquisadores do Centro de Estudos da Metrópole (CEM) e do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) em um encontro que tinha por objetivo apresentar os trabalhos de cada Centro e buscar desenvolver estudos em conjunto.

“O NEV surgiu em um momento em que o Brasil passava por um processo de redemocratização e a violação de direitos se tornava um tema central. Diante desta perspectiva inicial, fizemos vários estudos relacionados a violência e criminalidade de um ponto de vista mais amplo e, graças ao trabalho do NEV, alguns institutos e ONGs foram criados – como o Instituto São Paulo Contra a Violência, responsável pelo Disque-Denúncia”, conta Marcelo Nery, pesquisador do NEV.

Também sediado em São Paulo, o CEM é outro CEPID que se concentra em estudos sociais. “Temos nos especializado nos estudos sobre desigualdade e as formas de segregação nas metrópoles. Temos estudado, basicamente, os efeitos de fenômenos socioeconômicos e de políticas públicas sobre a desigualdade nos espaços metropolitanos”, explica Marta Arretche, diretora do CEM.

No encontro, foram discutidas possibilidades de aplicação das capacidades dos CEPIDs em trabalhos já desenvolvidos por eles e na criação de novos estudos. Antes da reunião, o CeMEAI já havia iniciado contatos com os outros Centros, realizando estudos preliminares com dados fornecidos pelo CEM e NEV. “Marcelo Nery, do NEV, e Rogério Barbosa, do CEM, forneceram dados para analisarmos. Iniciamos estudos preliminares com os dados do Marcelo, pois já possuíamos ferramentas para processar e analisar tal tipo de dado. Pretendemos agora iniciar estudos envolvendo os dados fornecidos pelo CEM. Essa foi a primeira reunião com os três CEPIDs, reunindo um número expressivo de membros dos três Cepids”, destaca Luis Gustavo Nonato, pesquisador do CeMEAI. Além dele, representaram o Centro os pesquisadores Jorge Bazán e Pablo Rodríguez e o diretor José Alberto Cuminato.

Os representantes dos Centros se mostraram animados depois do encontro. “É importante somar esforços. Os CEPIDs têm diferentes forças e diferentes fraquezas, e a ideia é a gente vir a produzir projetos relevantes com base na cooperação interdisciplinar”, comemora Marta. “É fundamental entender a dinâmica espaço-temporal dos fenômenos e entender quais são os fatores que interferem nessa dinâmica. Então, a união dos CEPIDs nessa perspectiva é fundamental”, complementa Nery.

Nonato também destaca a importância da conexão entre os Centros e cita os desafios da cooperação. “Não é uma interação fácil, porque mesmo a comunicação verbal não é a mesma, o linguajar que a gente usa não é o mesmo que o deles. A expectativa é grande e os desafios ainda maiores, mas acredito que essa união tem um potencial muito grande”, finaliza.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em quatro áreas básicas: Otimização Aplicada e Pesquisa Operacional, Mecânica de Fluidos Computacional, Modelagem de Risco, Inteligência Computacional e Engenharia de Software.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar, IMECC-UNICAMP, IBILCE-UNESP, FCT-UNESP, IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Leonardo Zacarin - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Tese sobre segmentação e edição de imagens é premiada pela SBMAC

Estudo foi desenvolvido por pesquisadores do CeMEAI

 

A tese de doutorado desenvolvida pelo pesquisador Wallace Casaca, sob orientação do professor Luis Gustavo Nonato, associado ao CeMEAI, que criou uma ferramenta computacional possibilitando segmentar e editar uma imagem a partir da pré-seleção de alguns elementos existentes nela, é novamente premiada.

Intitulada “Graph Laplacian for Spectral Clustering and Seeded Image Segmentation”, a tese foi selecionada em 1º lugar pelo Comitê do Prêmio de Doutorado do Congresso Nacional de Matemática Aplicada e Computacional- CNMAC 2016- para receber o Prêmio Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional- SBMAC- de Doutorado “Odelar Leite Linhares”.

A premiação acontecerá em Gramado, RS, no mês de setembro e Wallace também foi convidado a participar de Conferência Plenária durante o Congresso. “Essa premiação, assim o CNMAC, é promovida a cada dois anos pela SBMAC, a qual conta com um ganhador por edição. É realmente muito gratificante ter sido outorgado com essa distinção, pois trata-se de um prêmio de reconhecimento na maior conferência na área de Matemática Aplicada e Computacional do país”, comentou Casaca.

A pesquisa de Casaca, cujos recortes de imagens são feitos com alta precisão e com ajuste nas bordas, já havia sido premiada com o primeiro lugar no 1º Concurso Latino-Americano de Teses de Doutorado, evento associado à XLI Conferência Latino-Americana de Informática (CLEI 2015). Além disso, o trabalho também foi premiado pelo comitê de Ciências de Computação com uma menção honrosa no Prêmio Capes de Teses 2015.

Os artigos e a tese de Casaca podem ser acessados aqui.

Uma ilustração da ferramenta computacional criada por Casaca pode ser acessada aqui: http://icmc.usp.br/e/cd848.

Entenda como funciona o programa desenvolvido durante a pesquisa: 

 

Um software desenvolvido por pesquisadores do CEPID - CeMEAI consegue editar e reconstruir imagens com mais velocidade e precisão. Conheça o programa:

Publicado por CEPID - CeMEAI em Sexta, 2 de outubro de 2015

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em quatro áreas básicas: Otimização Aplicada e Pesquisa Operacional, Mecânica de Fluidos Computacional, Modelagem de Risco, Inteligência Computacional e Engenharia de Software.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar, IMECC-UNICAMP, IBILCE-UNESP, FCT-UNESP, IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Sobre a SBMAC

A Sociedade de Matemática Aplicada e Computacional - SBMAC foi criada em 1º de novembro de 1978 e tem como objetivos : Desenvolver as aplicações da Matemática nas áreas científicas, tecnológicas e industriais; Incentivar o desenvolvimento e implementação de métodos e técnicas matemáticas eficazes a serem aplicadas para o benefício da Ciência e Tecnologia; Incentivar a formação de recursos humanos em Matemática com ênfase ao conteúdo e à utilização eficiente dos recursos computacionais disponíveis; Promover o intercâmbio de ideias e informações entre as áreas de aplicações matemáticas.

Raquel Vieira - Comunicação CeMEAI

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail:Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Comportamento de Táxis

Comportamento de Táxis

Notícias Relacionadas

Pesquisadores

Luis Gustavo Nonato

O estudo funciona da seguinte maneira: cada cruzamento de ruas de uma cidade se torna um ponto em um mapa com informações de quantos passageiros pegaram táxis perto dali em intervalos de 15 minutos. O protótipo computacional transforma esses dados em representações gráficas que permitem visualizar o comportamento dos passageiros em locais e momentos específicos, como dias da semana e períodos como manhã, tarde ou noite.

A análise dessas informações permite a identificação de padrões de comportamento em períodos de tempo específicos, viabilizando a identificação de anormalidades.

A pesquisa também pode ser utilizada em outros campos, como as redes sociais. Pode-se analisar a relação entre pessoas, ou seja, como uma pessoa se relaciona com outra e como essa relação se desenvolve com o decorrer do tempo. Pode-se detectar, por exemplo, instantes em que o tipo de relação mudou ou se ocorreu algum tipo de variação na maneira como essas pessoas interagem.

Segmentação de Imagens

Segmentação de Imagens

Notícias Relacionadas

Pesquisadores

Luis Gustavo Nonato, Wallace Casaca

Image segmentation is an essential tool to enhance the ability of computer systems to efficiently perform elementary cognitive tasks such as detection, recognition and tracking. In this thesis we concentrate on the investigation of two fundamental topics in the context of image segmentation: spectral clustering and seeded image segmentation. We introduce two new algorithms for those topics that, in summary, rely on Laplacian-based operators, spectral graph theory, and minimization of energy functionals. The effectiveness of both segmentation algorithms is verified by visually evaluating the resulting partitions against state-of-the-art methods as well as through a variety of quantitative measures typically employed as benchmark by the image segmentation community.

Our spectral-based segmentation algorithm combines image decomposition, similarity metrics, and spectral graph theory into a concise and powerful framework. An image decomposition is performed to split the input image into texture and cartoon components. Then, an affinity graph is generated and weights are assigned to the edges of the graph according to a gradient-based inner-product function. From the eigenstructure of the affinity graph, the image is partitioned through the spectral cut of the underlying graph. Moreover, the image partitioning can be improved by changing the graph weights by sketching interactively. Visual and numerical evaluation were conducted against representative spectral-based segmentation techniques using boundary and partition quality measures in the well-known BSDS dataset.

Unlike most existing seed-based methods that rely on complex mathematical formulations that typically do not guarantee unique solution for the segmentation problem while still being prone to be trapped in local minima, our segmentation approach is mathematically simple to formulate, easy-to-implement, and it guarantees to produce a unique solution. Moreover, the formulation holds an anisotropic behavior, that is, pixels sharing similar attributes are preserved closer to each other while big discontinuities are naturally imposed on the boundary between image regions, thus ensuring better fitting on object boundaries. We show that the proposed approach significantly outperforms competing techniques both quantitatively as well as qualitatively, using the classical “GrabCut” dataset from Microsoft as a benchmark.

While most of this research concentrates on the particular problem of segmenting an image, we also develop two new techniques to address the problem of image inpainting and photo colorization. Both methods couple the developed segmentation tools with other computer vision approaches in order to operate properly.

logo icmc

Cinco trabalhos de professores e alunos do Instituto de de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, foram premiados durante a 28ª edição da SIBGRAPI 2015 - Conference on Graphics, Patterns and Images. A conferência, que é promovida anualmente pela Sociedade Brasileira de Computação (SBC), é a mais importante da área na América Latina e foi realizada em agosto, em Salvador.

 

CLIQUE AQUI para ler a notícia completa!

Mestrado Profissional do CeMEAI tem novo coordenador

Professor Luis Gustavo Nonato fica na função até 2017

nonato

Desde o último dia 23 de novembro, o professor Luis Gustavo Nonato, do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP em São Carlos, é o novo coordenador do Mestrado Profissional em Matemática, Estatística e Computação Aplicadas à Indústria (MECAI), programa ligado ao Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI). Após eleição realizada pela comissão coordenadora do programa, Nonato foi o escolhido para suceder o professor Antonio Castelo Filho.

O MECAI é o primeiro mestrado profissional do país que aborda, de forma abrangente, áreas específicas da matemática, estatística e computação aplicadas à indústria. O objetivo é melhorar a formação dos profissionais e atender à demanda da indústria para proporcionar um avanço em geração de produtos ou aplicação de métodos inovadores, para que as empresas se tornem mais competitivas nacional e internacionalmente. “Nós queremos identificar, no mercado, quais são as carências de profissionais, para que a gente dê o treinamento adequado”, declara o professor Nonato.

Atualmente, o MECAI conta com duas ênfases ativas: uma voltada para o mercado financeiro e a outra voltada à ciência dos dados. Nonato quer expandir o programa com o fechamento de novos convênios. “O que eu pretendo fazer é uma divulgação mais intensa do mestrado profissional, tentando fomentar parcerias que sejam mais duradouras com empresas e outros setores, como a área médica, a área industrial e até na indústria agrícola”, explica.

O mandato tem duração de dois anos e termina em novembro de 2017. Neste período, a professora Ellen Francine Barbosa será a suplente de Nonato na coordenação do MECAI.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP. O CeMEAI é especialmente adaptado e estruturado para promover o uso de ciências matemáticas (em particular matemática aplicada, estatística e ciência da computação) como um recurso industrial.

As atividades do Centro são realizadas dentro de um ambiente interdisciplinar, enfatizando-se a transferência de tecnologia e a educação e difusão do conhecimento para as aplicações industriais e governamentais. As atividades são desenvolvidas nas áreas de Otimização Aplicada e Pesquisa Operacional, Mecânica de Fluidos Computacional, Modelagem de Risco, Inteligência Computacional e Engenharia de Software.

Além do ICMC, o CEPID-CeMEAI conta com outras seis instituições associadas: o Centro de Ciências Exatas e Tecnologia da Universidade Federal de São Carlos (CCET-UFSCar); o Instituto de Matemática Estatística e Computação Científica da Universidade Estadual de Campinas (IMECC-UNICAMP); o Instituto de Biociências Letras e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista (IBILCE-UNESP); a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista (FCT-UNESP); o Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE); e o Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo (IME-USP).

Leonardo Zacarin - Assessoria CEPID-CeMEAI

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609 

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Projeto do CeMEAI analisa comportamento de táxis em Manhattan

Estudo é feito em parceria com pesquisador da Universidade de Nova Iorque

 

Pesquisadores do CEPID - CeMEAI e da New York University têm parceria para analisar o comportamento dos táxis em Manhattan. Saiba mais: http://goo.gl/2VUQYs

Publicado por CEPID - CeMEAI em Quinta, 19 de novembro de 2015

Os táxis são indispensáveis na cidade de Nova Iorque, nos Estados Unidos. Cerca de 12.800 amarelinhos circulam diariamente na cidade. Na ilha de Manhattan, na parte sul da metrópole, uma parceria entre pesquisadores do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) e do Centro de Estudos Urbanos da New York University permite a análise da dinâmica de passageiros que pegam táxis na ilha.

O estudo funciona assim: cada cruzamento de ruas se torna um ponto em um mapa com informações de quantos passageiros pegaram táxis perto dali em intervalos de 15 minutos. Em parceria com o professor Claudio Silva, da New York University, o protótipo computacional desenvolvido pela doutoranda Paola Valdivia, sob supervisão do professor Luis Gustavo Nonato, do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP em São Carlos e pesquisador do CeMEAI, transforma esses dados em representações gráficas que permitem visualizar o comportamento dos passageiros em locais e momentos específicos, como dias da semana e períodos como manhã, tarde ou noite.

A análise dessas informações permite a identificação de padrões de comportamento em períodos de tempo específicos, viabilizando a identificação de anormalidades. É de se esperar, por exemplo, que muitas pessoas peguem táxis em horários de pico e em esquinas movimentadas, então a identificação visual deste comportamento não seria alarmante. Mas e se os gráficos apontarem que muitos passageiros estão pegando táxis em horários e locais inesperados?

Isso aconteceu durante o estudo. Foi detectada, em uma área da parte centro-sul da ilha, uma movimentação muito acima da esperada em um local pouco movimentado e tarde da noite. Os pesquisadores descobriram que muitas pessoas pegavam táxis naquela região nas madrugadas de sextas e sábados, indicando a possível existência de uma casa noturna naquela localidade.

Nonato conta que esse tipo de estudo utiliza uma teoria relativamente antiga: a de Wavelets. “O que a gente está fazendo nesse trabalho, basicamente, é empregando esta teoria no contexto de grafos. Essa adaptação é bastante recente e, até onde eu tenho conhecimento, somos pioneiros em uma aplicação real dessa teoria com dados de grande porte”, conta.

A pesquisa também poderia  ser utilizada em outros campos, como as redes sociais. “Poderia se analisar a relação entre pessoas, ou seja, como uma pessoa se relaciona com outra e como essa relação se desenvolve com o decorrer do tempo. Poderíamos detectar, por exemplo, instantes em que o tipo de relação mudou ou se ocorreu algum tipo de variação na maneira como essas pessoas interagem”, finaliza Nonato.

O trabalho também contou com a colaboração do professor Fabiano Petronetto, da Universidade Federal do Espírito Santo, e do pós-doutorando Fabio Dias, do ICMC.

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP. O CeMEAI é especialmente adaptado e estruturado para promover o uso de ciências matemáticas (em particular matemática aplicada, estatística e ciência da computação) como um recurso industrial.

As atividades do Centro são realizadas dentro de um ambiente interdisciplinar, enfatizando-se a transferência de tecnologia e a educação e difusão do conhecimento para as aplicações industriais e governamentais. As atividades são desenvolvidas nas áreas de Otimização Aplicada e Pesquisa Operacional, Mecânica de Fluidos Computacional, Modelagem de Risco, Inteligência Computacional e Engenharia de Software. 

Além do ICMC, o CEPID-CeMEAI conta com outras seis instituições associadas: o Centro de Ciências Exatas e Tecnologia da Universidade Federal de São Carlos (CCET-UFSCar); o Instituto de Matemática Estatística e Computação Científica da Universidade Estadual de Campinas (IMECC-UNICAMP); o Instituto de Biociências Letras e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista (IBILCE-UNESP); a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista (FCT-UNESP); o Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE); e o Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo (IME-USP).

Leonardo Zacarin - Assessoria CEPID-CeMEAI

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609 

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Página 1 de 2