ptzh-CNenfrdeitjarues

Comunicação CeMEAI

Comunicação CeMEAI

Centro AgriBio seleciona alunos interessados em pesquisa com bolsa

Grupo atua no desenvolvimento de tecnologias para o agronegócio sustentável

 

agricultura

 

Os ciclos produtivos do agronegócio, a sustentabilidade ambiental e a segurança alimentar são demandas atuais que desafiam as autoridades mundiais e ganharam a dedicação de pesquisadores do C4AI-AgriBio, um grupo do USP/FAPESP/IBM Center for Artificial Intelligence que foca suas atividades em desenvolvimento tecnológico aplicado ao agronegócio sustentável.

O grupo é formado por representantes de várias instituições e universidades interessados em trabalhar com modelos causais multicritério baseados em IA para tomada de decisão sob incerteza em redes de produção alimentar e está abrindo espaço para que interessados nesse tema possam participar das pesquisas como bolsistas.

“Pesquisadores interessados em investigações envolvendo os principais métodos em Inteligência Artificial para a área e em explorar seus limites, são convidados a participar do desenvolvimento dos trabalhos. O pesquisador também irá lidar com grupos de trabalho que atuam com tomadores de decisão em aplicações, possibilitando avaliar diretamente os principais impactos dos avanços alcançados”, explica Alexandre Delbem, um dos líderes do projeto.

A seleção exige experiências compatíveis com níveis de pós-doutorado, doutorado, mestrado ou treinamento técnico, graduando ou graduado, conforme os perfis de experiência para os níveis de bolsas TT da FAPESP.

Os temas de maior interesse são: abordagens baseadas em conhecimento, Inteligência Artificial e modelos híbridos para redes de segurança alimentar (resiliência; dinâmica espacial da produção e consumo de alimentos, variações espaço-temporais de estresse hídrico, aprendizado da representação); novas abordagens de Inteligência Artificial (aprendizado das associações e predição de ligações, causalidade, modelos estruturais para sistemas complexos capazes de certificar relações causais, tomada de decisão multicritério, soluções eficientes para modelos dinâmicos envolvendo alimento e clima, suporte a tomadores de decisão) e infraestrutura AgriBio (modelos teóricos de integração de dados e informações,  desenvolvimento e implantação de plataformas, heterogeneidade, exploração e construção de bases de dados de alimento, clima e commodities).

As áreas de interesse contemplam conhecimentos avançados em: Aprendizado de Máquina, Computação Evolutiva, Otimização Multiobjetivo, Redes Complexas, Grafos, Redes Bayesianas, Sistemas Dinâmicos, Sistemas Ciberfísicos, Padronização de Dados e Informações, Sistemas de Informação Geográficas, Mineração de Dados, entre outras especialidades.

O interessado deve enviar e-mail para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. com o assunto AGRIBIO-Opportunities, anexando Carta de Apresentação e Curriculum Vitae (ou CV Lattes) resumido. O tempo para efetivação de selecionados pode depender da área de pesquisa, do nível de formação e da disponibilidade do candidato, entre outros fatores.

“A construção de modelos causais confiáveis ​​é um problema em aberto nessa área. A construção de novas abordagens para a tomada de decisão multicritério que combinem as soluções encontradas pelas técnicas convencionais baseadas no conhecimento e pelos métodos de aprendizado propostos parece ser uma estratégia promissora para gerar inovações de curto e longo prazo”, finalizou Delbem.

 

Raquel Vieira – Comunicação CeMEAI

19-99199 8981

 

Mais informações:

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Site: C4AI-AgriBio

VI Workshop de Soluções Matemáticas para Problemas Industriais - CCEE, CEPEL e Radix

 

CCEE, CEPEL e Radix participaram do VI Workshop de Soluções Matemáticas para Problemas Industriais, realizado pelo CEPID - CeMEAI. Confira o relato de quem participou da discussão dos problemas e acesse os relatórios produzidos pelos pesquisadores:

- Relatório CEPEL

- Relatório CCEE

- Relatório Radix

Ciências de Dados: capacite-se no MBA da USP

Inscrições já estão abertas; aulas são 100% online

 

inscricoes mba cd

 

Profissionais com formação universitária em ciência da computação, economia, administração, engenharia, estatística, sistemas de informação e áreas correlatas e que desejem se aprimorar em ciências de dados já podem participar do processo seletivo para o MBA em Ciências de Dados oferecido pelo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP em São Carlos e pelo Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI).

O curso foi o primeiro da área a ser oferecido no modelo a distância por uma universidade pública e conta com a maior equipe de cientistas da computação, estatística e matemática aplicada do Brasil.

Todas as aulas são oferecidas de forma online. Os alunos só precisam se apresentar pessoalmente para a prova final do curso e a apresentação do projeto final. Este será o terceiro ano do MBA, que já formou cerca de 140 especialistas na primeira edição e tem 270 em formação na turma atual.

“O curso surpreendeu em material técnico/teórico, fornecendo aos alunos códigos em Python extremamente estruturados e de fácil entendimento que puderam ser aproveitados para aprimoramento de estudos de meu interesse fora do contexto do MBA, assim como geração de insights no contexto profissional em que estou inserido”, elogia Ricardo Blanco, Gerente de Analytics na Serasa Experian e aluno da primeira turma do MBA.

Os alunos têm acesso a disciplinas sobre fundamentos de ciências de dados, metodologias estado-da-arte na área e podem criar projetos que desenvolvam suas habilidades teóricas e práticas. O MBA ainda permite que os inscritos resolvam, durante o decorrer do curso, um problema real da empresa onde trabalham, sempre acompanhados pela equipe de apoio, que tem vasta experiência em projetos que aproximam a academia do mercado de trabalho.

“As aulas e materiais são sempre completos, com professores e monitores solícitos e equilíbrio ideal entre teoria e prática, algo que até então não observei em nenhum outro curso de ciência de dados. Todas minhas dúvidas, questionamentos e até críticas foram recebidos com atenção e prontamente resolvidos ou esclarecidos, me senti plenamente amparado em todos os momentos. É um curso desafiador, exige muita disciplina e comprometimento, mas já vejo no dia a dia profissional os frutos desse esforço: tudo que tenho aprendido tem tradução direta para a prática e tem alavancado minha performance profissional”, completa Enzo Yamamura, Data & Analysis Specialist na Loft e aluno da segunda edição.

Para a terceira turma, serão oferecidas 300 vagas de ampla concorrência e 10 vagas para egressos que queiram retomar o curso. Os interessados devem acessar o site do MBA em Ciências de Dados até o dia 28 de outubro para realizar a inscrição. Todos os detalhes do processo seletivo, assim como as informações sobre investimento, bolsas de estudo e cronograma do curso, estão disponíveis no edital completo do MBA.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em três áreas básicas: Ciência de Dados, Mecânica de Fluidos Computacional e Otimização e Pesquisa Operacional.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar / IMECC-UNICAMP / IBILCE-UNESP / FCT-UNESP / IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Leonardo Zacarin – Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI:

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Escola de Big Data da USP: confira os cursos e as datas de inscrição

Estudantes têm 50% de desconto na taxa de matrícula

 

escola avançada em big data

 

A 5ª edição da Escola Avançada em Big Data Analysis já tem data marcada. O evento, voltado a técnicas utilizadas para analisar grandes volumes de dados, será realizado de 11 a 15 de outubro e contará com 12 cursos oferecidos por professores e profissionais renomados da área.

Neste ano, a Escola faz parte das comemorações dos 50 anos do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP em São Carlos. O evento é organizado pelo Departamento de Ciência da Computação com o apoio do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI).

Os cursos são voltados a alunos cursando a partir do 3º ano da graduação, alunos de pós-graduação e profissionais de empresas graduados nas seguintes áreas: Engenharias, Computação, Matemática Aplicada, Estatística, Administração, Economia e áreas correlatas.

Todo o evento será realizado de forma online. As inscrições já estão abertas e vão até o dia 4 de outubro ou enquanto houver vagas. Para efetuar a matrícula, os interessados deverão acessar o site da Escola, que já conta com toda a programação e os detalhes dos cursos oferecidos.

 

Valores

Estudantes pagarão o valor promocional de R$50 por curso. Para pesquisadores e demais interessados, o valor é de R$100 por curso.

Pessoas em situação de fragilidade socioeconômica ou desempregados podem requerer isenção das taxas de inscrição. A declaração de interesse na isenção pode ser feita diretamente no formulário de inscrições.

 

Cursos

Abaixo, segue a lista de cursos oferecidos pela 5ª edição da Escola. Os detalhes da ementa e dos ministrantes estão disponíveis no site do evento.

- Gerência de dados complexos em larga escala.

- Visualização e análise de dados: de características a modelos.

- Interfaces cérebro-computador.

- Visão geral do estado da arte de deep learning aplicado ao processamento da fala.

- Técnicas e métricas para avaliação de técnicas de aprendizado de máquina.

- Processamento de linguagem natural usando aprendizado profundo.

- Mineração de eventos e suas aplicações em agrupamento de textos.

- Sistemas de recomendação online.

- Recuperação de informação multimídia no contexto de big data.

- Deep learning: arquiteturas, treinamento e transferência de aprendizado.

- Uma introdução à interpretabilidade e visualização de modelos de classificação.

- Redes complexas e aplicações.

 

Sobre o CeMEAI - O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em três áreas básicas: Ciência de Dados, Mecânica de Fluidos Computacional e Otimização e Pesquisa Operacional.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar / IMECC-UNICAMP / IBILCE-UNESP / FCT-UNESP / IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

ICMC 50 anos – Criado oficialmente por um decreto publicado em 31 de dezembro de 1971, o ICMC completa este ano 50 anos de existência. A Escola Avançada em Big Data Analysis faz parte do calendário comemorativo dos 50 anos do ICMC, que conta com patrocínio exclusivo do Santander.

As comemorações terão início este ano e vão se estender até dezembro de 2022. Para iniciar as celebrações, foi criada uma identidade visual, que é composta por um logo oficial alusivo ao cinquentenário, um selo comemorativo e o mote: Reconhecendo o passado e projetando o futuro.

 

Escola Avançada em Big Data Analysis

Quando: entre os dias 11 e 15 de outubro

Onde: evento online, com abertura no YouTube e cursos em plataforma a ser informada aos participantes

Inscrições: http://cemeai.icmc.usp.br/5EABDA

Site dos 50 anos do ICMC: 50anos.icmc.usp.br

Pesquisador do CeMEAI vence prêmio Elon Lages Lima da SBMAC

Carlile Lavor é um dos autores do estudo Álgebra Geométrica e Aplicações

 

carlile1

 

O trabalho denominado Álgebra Geométrica e Aplicações, de autoria do pesquisador Carlile Lavor, do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) e professor do IMECC/ Unicamp, Leandro Augusto Frata Fernandes e Manuel Menezes de Oliveira Neto foi a obra vencedora da 2ª Edição do Prêmio Elon Lages Lima, da Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional (SBMAC).

A comissão julgadora foi formada por Elizabeth Wegner Karas, Jayme Luiz Szwarcfiter, João Frederico da Costa Azevedo Meyer, Jorge Herbert Soares de Lira e Paulo Cézar Carvalho. No parecer final, assim definiram a obra: “trata-se de um livro exemplar no que promove de integração entre temas diferentes da Matemática e desses com aplicações relevantes. Pelo seu tratamento, que combina rigor na exposição sem descuidar das aplicações, que mescla temas de pesquisa ativa em aspectos puros e aplicados às implementações computacionais, o livro é um exemplo bem acabado da prolífica interação entre os aspectos da matemática representados pelas duas sociedades.”
O Prêmio Elon Lages Lima foi instituído conjuntamente pela SBMAC e Sociedade Brasileira de Matemática (SBM) e tem como objetivo promover e estimular a produção bibliográfica nacional em Matemática e Aplicações, devotada à formação e à difusão de conhecimentos na área.

A premiação será realizada durante o XL Congresso Nacional de Matemática Aplicada e Computacional a ser realizado de forma virtual de 13 a 17 de setembro de 2021.

 

Raquel Vieira – Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: 

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Workshop ressalta potencial da pesquisa para setor produtivo

Evento organizado pelo CeMEAI e IMPA segue até sexta-feira (10)

 

 

Qual é o valor da matemática para a economia de um país? Na abertura do 7º Workshop de Soluções Matemáticas para Problemas Industriais (WSMPI), nesta segunda-feira (6), o diretor-geral do IMPA, Marcelo Viana, compartilhou que, segundo estudos realizados pela consultoria Deloitte, atividades ligadas à matemática podem representar até 17% do Produto Interno Bruto (PIB) de países desenvolvidos. “Dentro das universidades e centros de pesquisa brasileiros há conhecimento matemático mais do que suficiente para alavancar um desempenho semelhante no setor produtivo. É um desafio com potencial enorme a ser explorado”, acrescentou.

Em sua apresentação, Viana também destacou a criação do Centro de Projetos e Inovação do IMPA (Centro Pi), estrutura destinada para a realização de parcerias com empresas e setor público. “O Centro Pi ocupa um espaço generoso no terceiro andar do IMPA e conta com equipamentos computacionais de alto desempenho. É bastante musculosa a capacidade de cálculo e trabalho do Centro Pi. Sobretudo, conta com uma equipe técnico-científica de alto nível, que combina colegas com perfis muito variados em termos de senioridade e expertise.”

Apesar de lançado oficialmente durante o Workshop, o Centro Pi já está em funcionamento há algum tempo, completou Viana, e já desempenhou projetos interessantes. “Um deles foi uma encomenda do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na fase em que estava organizando as eleições de 2020 e buscando entender como impactar o mínimo possível na situação sanitária. Também realizamos projetos de muito sucesso com a Stone e Dasa. Estamos iniciando agora um projeto muito interessante com a Vale, além de vários outros que vamos iniciar brevemente.”

 

 

As ciências matemáticas proporcionam a inovação e consequente melhora dos produtos, serviços e processos de uma empresa; além de reduzirem custos de operação e aumentarem a capacidade analítica dos funcionários, destacou Francisco Louzada Neto, diretor de transferência tecnológica do Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CEPID-CeMEAI).

Parceiro do IMPA na organização do 7º WSMPI, o CEPID-CeMEAI tem o objetivo de promover o uso da matemática, estatística e computação no setor produtivo e em outras áreas do conhecimento, explicou Louzada. “Temos mais de 100 parceiros na atualidade, fizemos mais de 100 consultas para clínicas tecnológicas, realizamos mais de seis workshops e desenvolvemos mais de 130 projetos”, ressaltou.

Em sua apresentação, Louzada apresentou a estrutura do CeMEAI, destacando as ações voltadas à indústria que incluem não apenas os robustos resultados obtidos por intermédio das últimas seis edições do workshop, mas sobretudo a estrutura de educação corporativa com cursos que transferem tecnologia e conhecimento para as empresas.

 

Empresas participantes do workshop apresentam desafios

O primeiro dia de programação do 7º WSMPI também contou com a apresentação dos desafios das empresas participantes: McKinsey, Shape, Big Data, Carteira Global e Rumo. O Ministério Público da Paraíba e o grupo de políticas públicas ESALQ, da USP, também falaram sobre os problemas que serão trabalhados pelos participantes. Ao longo da semana, participantes se dividirão em grupos de estudo para solucioná-los.

Pesquisador do Grupo de Políticas Públicas ESALQ, da USP, Lucas Safanelli explicou o contexto geral do problema trazido pelo grupo, nomeado “Predições de variáveis climáticas em municípios brasileiros a partir de dados de estações meteorológicas do país”. Em termos gerais, o desafio trata da mudança de suporte, que pode ser definido como uma área ou volume de abrangência da informação espacial.

“Quando essa informação espacial é transformada ou convertida para diferentes formatos, se isso não for feito de forma adequada, as inferências obtidas pelos dados tornam-se enviesadas ou irreais. Esse problema é bastante conhecido na literatura como ‘Modifiable Areal Unit Problem”, explicou. Neste contexto, o desafio trazido pelo grupo, que atua em agricultura, é gerar informações meteorológicas de forma consistente com cobertura espacial completa para todos os municípios agrícolas brasileiros.

Durante a pandemia da Covid-19, o Centro de Apoio Operacional (CAO) do Ministério Público da Paraíba (MPPB) identificou, através de análises, superfaturamentos de até 600% em despesas públicas do Estado. Diante deste cenário, tornou-se ainda mais latente a necessidade de um modelo de inteligência artificial que possa ser acoplado ao sistema de geração de notas fiscais eletrônicas que identifique o sobrepeso desde a origem.

“Seria algo inimaginável, substancial, que vai permitir que a gente possa identificar de forma contemporânea e rápida e prevenir casos de superfaturamento propositais ou por negligência”, pontuou Reynaldo di Lorenzo Serpa Filho, promotor de justiça e coordenador do CAO do MPPB.

Já a Big Data, empresa de data science voltada para business perfomance, trouxe um desafio em otimização de precificação em um contexto de baixo número de amostras. “Muitas empresas costumam precificar o produto com aquilo que a gente chama cost plus. Você olha quanto custou, bota uma margem que você está interessado em ganhar e aquele é o preço final. Mas isso deixa muito dinheiro na mesa, porque você está atingindo só um determinado público quando faz aquilo”, explicou Roberto Nalon, sócio e cientista de dados da Big Data.

Uma solução para esse problema é diferenciar os preços, fazendo com que cada consumidor pague exatamente aquilo que está disposto. Com o Priceo, produto oferecido pela Big Data, a empresa usa a aprendizagem de reforço para elaborar preços ótimos para seus clientes. Mas uma das dificuldades é realizar essa tarefa com clientes menores, quando há baixo número de amostras. “Como encontrar um modelo que nos dê o preço ótimo para cada item em cada loja, considerando que não é possível fazer experimentação?”, pontuou Nalon.

Representantes da McKinsey e da Shape trouxeram dois problemas em manutenção preditiva, área que visa detectar e prevenir defeitos em máquinas industriais. O objetivo da ferramenta é reduzir o tempo no qual a máquina está inoperante, seja por manutenção ou por falhas que interrompam a operação.

Com um mercado financeiro cada vez mais competitivo, a Carteira Global tem o objetivo de desenvolver ferramentas para ajudar o dia a dia do investidor brasileiro e dos assessores financeiros, explicou o CEO da empresa, Gabriel Cantu. Um dos principais desafios do grupo é otimizar carteiras satisfazendo a estratégia buscada por todos investidores, que querem maior rentabilidade e um menor risco.

“Se o ser humano, por mais qualificado que ele for, não conseguir ter uma plataforma que instrua ele a investir o tempo correto no cliente correto, com a assessoria correta, ele vai ficar para trás. Quanto melhor for o software e mais assertivas forem as informações, menos tempo ele vai gastar e mais ele vai conseguir trazer de retorno”, disse Cantu.

Gerente de inteligência de mercado da Rumo, operadora logística que tem quase 14 mil km de linha ferroviária, Adriana Kanashiro falou sobre um dos principais desafios do setor: como prever o ritmo da exportação de grãos? “Nossa ação dentro da inteligência de mercado é fornecer essas informações para as outras áreas da empresa, principalmente as áreas operacionais estratégicas. Se a produção está mudando a localização, como a gente reage? Se a produção está muito concentrada em determinado mês, temos capacidade para atender?”, explicou.

Ao longo desta semana, os mais de 300 participantes inscritos vão se dividir em grupos de estudo para solucionar os problemas propostos pelas empresas e instituições participantes. O grupo é composto por pesquisadores e estudantes de pós-graduação nas áreas de matemática, estatística e computação, além de gestores e pesquisadores de empresas.

Para mais informações, acesse o site do Workshop.

 

Raquel Vieira – Comunicação CeMEAI

Com informações da assessoria de comunicação do IMPA

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: 

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Em workshop do CeMEAI e IMPA, cientistas vão solucionar desafios reais de empresas

McKinsey, Shape, Big Data, Carteira Global e Rumo participam do evento

 

impa

 

Presente na inteligência artificial, no escoamento de poços de petróleo e na modelagem econômica de problemas de empresas de diferentes áreas, a matemática dá contribuições inovadoras e fundamentais ao setor produtivo. Com o objetivo de estimular o diálogo entre as duas áreas, o Centro de Projetos e Inovação (Centro Pi) do Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA) e Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) realizam, em formato virtual, entre 6 e 10 de setembro, o 7º Workshop de Soluções Matemáticas para Problemas Industriais.

Ao longo da semana do evento, pesquisadores e estudantes das áreas de matemática, estatística e computação, além de gestores e pesquisadores de empresas, vão se dividir em grupos para solucionar problemas reais da McKinsey, Shape, Carteira Global, Big Data e Rumo. O Ministério Público da Paraíba e o grupo de políticas públicas ESALQ, da USP, também apresentarão desafios operacionais aos participantes.

“Este é mais um passo na nossa aproximação do setor produtivo nacional, consubstanciada na criação do Centro de Projetos e Inovação do IMPA. Queremos explorar cada vez mais o grande potencial da matemática para gerar riqueza e desenvolvimento”, afirma Marcelo Viana, diretor-geral do IMPA.

“A organização deste evento, pela primeira vez, fora de São Carlos- SP nos dá a possibilidade de leva-lo a outras localidades do país que necessitam dessa metodologia. Na abertura do evento pretendo relatar a nossa experiência em edições anteriores onde trazemos para a universidade os problemas reais da indústria, apresentamos soluções e revertemos às empresas por intermédio de transferência tecnológica, ressaltando sobretudo que temos capacidade para prepará-los para essa implementação por intermédio de nossos cursos e educação corporativa oferecidos”, disse Francisco Louzada Neto, diretor do CeMEAI.

Louzada, Viana e o diretor de tecnologia da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ), Mauricio Guedes, participam da abertura do workshop na segunda-feira (6), com transmissão pelo YouTube do IMPA. O primeiro dia de programação também contará com o lançamento oficial do Centro Pi, criado pelo Instituto para potencializar e identificar oportunidades de colaborações com o setor empresarial, além de apresentações das empresas participantes.

Para mais informações, acesse o site do Workshop.

Raquel Vieira – Comunicação CeMEAI

Com informações da assessoria de comunicação do IMPA

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: 

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

VI Workshop de Soluções Matemáticas para Problemas Industriais - Kinea

 

A Kinea/Itaú foi uma das instituições que participaram do VI Workshop de Soluções Matemáticas para Problemas Industriais, realizado pelo CEPID - CeMEAI. Confira o relato de quem participou da discussão do problema e acesse o relatório produzido pelos pesquisadores!

 

Delta exige intervalo mais curto entre doses de vacina, sugere estudo

Adiar segunda dose é indicado para vacinas com mais de 50% de eficácia na 1ª dose

 

doses vacina

 

Em regiões de prevalência da variante delta do novo coronavírus, o intervalo entre doses de vacina de Covid-19 precisa ser mais curto do que doze semanas para que se tenha um controle efetivo da pandemia. É o que sugere modelo matemático desenvolvido pelo Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) a partir de dados preliminares da eficácia da vacina para a variante delta. A ferramenta está descrita em artigo publicado neste mês na PNAS.

A tecnologia, criada pelo grupo ModCovid-19 com pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), da Fundação Getulio Vargas (FGV) e da Universidade de São Paulo (USP) projeta tempo seguro e ideal entre doses para controle da pandemia, a partir de dados de eficácia de vacinas. Ele mostra que vacinas com menos de 50% de eficácia na primeira dose precisam de um intervalo menor de aplicação do que vacinas com taxas de eficácia maiores. Alimentada com estudos prévios sobre eficácia dos imunizantes, a tecnologia indica quando é possível adiar as doses e quando se atinge o máximo possível de proteção.

“O próprio algoritmo decide quando é melhor aplicar a segunda dose, levando em conta a primeira, de maneira a controlar o mais rápido possível a pandemia”, explica Paulo José da Silva e Silva, co-autor do estudo. Por isso, a ferramenta, que está disponível on-line, pode ajudar nas tomadas de decisão durante o processo de imunização da população brasileira e de outros países.

Paulo lembra que quando o artigo foi escrito, em fevereiro desse ano, a principal pergunta era se valeria a pena adiar a segunda dose e qual a maneira mais segura de se fazer isso, em virtude da quantidade limitada de doses. Nesse sentido, o estudo teve como base a fabricante Astrazeneca e concluiu que o percentual de eficácia entre a primeira dose e segunda era muito pequeno e por isso, comprovadamente, valeria a pena esperar e vacinar mais gente com 1ª dose.

Agora, com o avanço da variante delta em algumas regiões do Brasil e do mundo, as estratégias de vacinação podem ser revistas a partir deste modelo.  “Se você está em um lugar onde ela é a variante prevalente, a eficácia da primeira dose, pelas primeiras estimativas que estão saindo agora, é muito menor do que era com a alfa, então muda a relação da eficácia entre primeira e segunda dose. Essas análises confirmam que a decisão é delicada e que tem que ser feita de maneira sistemática”, observa Paulo.

“Com a publicação do artigo na PNAS – que é indiscutivelmente um dos maiores pontos de referência da ciência mundial, esperamos que a tecnologia que nós desenvolvemos se torne mais acessível e possa chegar a vários países e tomadores de decisão. Nós deixamos o código totalmente disponível na internet e nos disponibilizamos também para ajudar qualquer pessoa que queira usar. Nosso trabalho desenvolve a metodologia, implementa a metodologia que pode analisar a situação em diferentes locais. Desenvolvemos um modelo que não é só para o Brasil, ele é uma contribuição para a ciência e é uma tecnologia que pode ser usada no futuro, não apenas para a Covid-19”, finalizou.

Denominado Optimizing COVID-19 second-dose vaccine delays saves ICU admissions, o modelo é assinado também pelos pesquisadores Paulo J. S. Silva, Claudia Sagastizábal, Luis Nonato, Tiago Pereira, do CeMEAI, e Claudio Struchner, da Fundação Getúlio Vargas.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em três áreas básicas: Ciência de Dados, Mecânica de Fluidos Computacional e Otimização e Pesquisa Operacional.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar / IMECC-UNICAMP / IBILCE-UNESP / FCT-UNESP / IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Raquel Vieira – Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI:

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

VI Workshop de Soluções Matemáticas para Problemas Industriais - Petrobras

 

A Petrobras foi uma das instituições que participaram do VI Workshop de Soluções Matemáticas para Problemas Industriais, realizado pelo CEPID - CeMEAI. Confira o relato de quem participou da discussão do problema e acesse o relatório produzido pelos pesquisadores!

 

Página 1 de 106