ptzh-CNenfrdeitjarues

Pesquisadores da USP divulgam estudo inovador na área de interações em sistemas complexos

Trabalho é destaque na revista Nature Communications

 

pares e trios

 

Pense na sua relação com alguém. O que vocês compartilham entre si é único e não é dividido com mais ninguém. Esse contato de par torna exclusiva a interação entre vocês, algo de que só vocês fazem parte. Certo?

Para a matemática, não é bem assim.

Pesquisadores do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CEPID-CeMEAI) fizeram parte de um estudo que prova que, dadas certas condições, só é possível descrever matematicamente sistemas de pares a partir de três ou mais indivíduos do sistema, e não apenas dois.

Parece confuso – e até os próprios matemáticos tiveram dificuldades em entender essa dinâmica. “Por muitos anos, ao tentar criar modelos matemáticos que explicassem relações entre pares, pesquisadores encontravam modelos que chegavam a trios, e por isso imaginavam que os modelos poderiam estar errados. Nosso trabalho prova matematicamente que isso é correto”, explica Tiago Pereira, pesquisador do CeMEAI e professor do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP em São Carlos.

O artigo Emergent hypernetworks in weakly coupled oscillators também contou com a autoria dos pesquisadores Eddie Nijholt, orientado por Tiago no CeMEAI, Jorge Ocampo-Espindola e István Kiss, da Universidade de Saint Louis, nos Estados Unidos, e Deniz Eroglu, da Universidade Kadir Haz, na Turquia.

Ao comprovar matemática e experimentalmente os porquês de interações entre pares culminarem em modelos que apresentam sistemas com três ou mais indivíduos, o trabalho foi publicado pela Nature Communications e está em evidência na revista como um dos 50 artigos de destaque na área de física e matemática aplicadas.

As conclusões do trabalho podem ser aplicadas a sistemas químicos e biológicos de interação, como a relação de influência entre neurônios ou componentes químicos. “Por exemplo, no seu cérebro, há vários processos de sincronização que acontecem, e é por isso que você consegue enxergar, por isso que você consegue falar. Isso acontece muito. Sabia-se antigamente que havia algumas sincronizações anômalas e ninguém entendia o porquê. Agora essa teoria explica”, finaliza Tiago.

 

Leonardo Zacarin - Comunicação CeMEAI

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em três áreas básicas: Ciência de Dados, Mecânica de Fluidos Computacional e Otimização e Pesquisa Operacional.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar / IMECC-UNICAMP / IBILCE-UNESP / FCT-UNESP / IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.